EDUCAÇÃO VÉDICA

Fenômenos do conhecimento apauruxéia trans-humano físico na linha descendente pela educação védica. A formação acadêmica abrangente das disciplinas técnicas astronômicas científicas desenvolvidas no período da educação védica foi confirmada nas fontes dos resíduos arqueológicos encontrados na área onde floresceu a arquitetura curva de 5.000 anos na cidade escola de Vrindavana. A partir do início do século XVI vem sendo construídos espaços culturais, residenciais e templos nestes pontos referenciais do período. Seguindo a orientação de Caetania Mahaprabu - Índia. A educação Nórdica das Eneádes de Plotino e outras literaturas acríticas, que, no trato sobre a unicidade concreta do Eu Existente – Govinda -  leva em conta apenas a somatória das partes e parcelas; esse esoterismo filosófico teosófico cultural nórdico alemão e o judaico-liberal; não tem identidade correlata com a Educação Vaishinava Védica.  Parampará. A educação Védica descendente é inconfundível. As universidades em todo o mundo mantém seus métodos empíricos de ensino sobre as origens e o desenvolvimento da educação Védica. Atualmente as academias empíricas que cognominavam o Veda como mitologias estão correndo no tempo ao tomarem conhecimento da arquitetura curva do período Védico.O modelo das castas hereditárias, uma deteriorização do Warna Ashma Dharma que se transformou no padrão educacional nacional durante a colonização inglesa que teve o apoio dos educadores muçulmanos que destruía o material escolar indiano e introduzia o alcorão. E mais precisamente, as agressões a educação Védica chegou ao estremo quando SIR William Jones considerado um dos pais da ideologia impersonalista, respeitável, intelectual poliglota tentou forjar a idéia de que os textos Védicos tiveram origem nos evangelhos, gregos, judaicos, cristãos, o que levou sua astuta “sapiência” a zero. O evangelista Alexander Duff (1806 / 1878) fundou o SCOTS College, em Calcutá na Índia onde travou uma grande batalha contra a Educação Védica, ele contou com o apoio do Missionário Batista William Corey que inundou a Índia com panfletos contra a educação Védica. Este sistema social universal educacional Warna Ashma Dharma tem sido mantido em todas as civilizações teístas personalistas védicas onde o fenômeno espaço temporal concreto, O Eu Supremo predomina, determina dando origem a tudo inclusive a consciência. Motivadas pela preservação da propriedade patrimonial privada as sociedades idealistas impersonalistas das “Mônadas relativas” a exemplo das tribos nômades da Mongólia e das dinastias dos Asokas que levaram para a Índia as castas Sociais hereditárias. As castas introduzidas na Índia pelos muçulmanos é diferente das categorias sociais produtivas da cultura Védica autêntica. Na narrativa do Bhagavad-Gita as quatro varnas (ordem sociais) incluem: (1) Os educadores (Brahmas) o judiciário, (2) Os administradores, políticos, militares. (3) Produtores agrícolas, Empresários, comerciários (Vaisyas); (4) Operários Braçais, aprendizes artesanais (Sudras). O sistema social védico que organiza a sociedade em quatro divisões ocupacionais, onde as pessoas são educadas nas escolas universidades ou nos quatro Asima que as qualifica para optarem pela sua linhagem seu Dharma constitucional profissional sistema que descende do código primordial de Manu de dois milhões de anos, na tradição oral de cinquenta mil anos, no Mahabhárata de doze mil anos de Vyasadeva e mais recentemente do Bhagavad-Gita recitado por Govinda Krsna para o discípulo Arjuna. Educação Sankara Devemos considerar o filósofo Sankacharaya como o maior contestador do sistema da educação Védica historicamente descendente da Sampradaya Paranama-Vada. Sankara especulou criando a teoria da natureza bolha do vazio ou da ilusão. Ele defendia a idéia de que Brahman o Deus impessoal é tudo e a natureza material universal é um mito, uma tola ilusão. Educação Linguística Védica. A somatização de dados históricos que resultaram na hipótese da existência de uma próton civilização Hindueuropéia é inconsistente. Estudos aprofundados da educação linguística Védica mostram os resultados onde a palavra ariano significa amigo fiel puro de Visno e não “raça pura” como os arquitetos muçulmanos alemães traduziram como raça pura. Se constata que todas as línguas derivam do Sanscrito clássico, menos o Pancrito e o Stoniano. A arquitetura de 5.000 anos que foi localizada pelo criador da Universidade Vaishinava. Arquitetura curva estudada e documentada por Le Courbusier, que foi desenvolvida no projeto urbanístico de Lúcio Costa e nos monumentos arquitetônicos de Oscar Niemeyer no Brasil- Brasília. (Livro - Brasília Cidade Mais inteligente do Mundo – Wagner Sresthas DNA de Brasília). Nas escolas Védicas as três sílabas OM TAT SAT são recitadas por mestres para discípulos, lembrando que nenhum dos trinta e três milhões de semideuses gestores dos afazeres materiais são eternos. Jamais sendo iguais a Bhagavan, lembrando que a origem dos quatro Vedas da literatura Védica e da educação Védica encontra-se na própria literatura. As formulações do empirismo racional crítico investigativo da história da sociedade que aponta o homem como o fazedor da história que chega a Marx de Hegel, que chega de Fergson e Home a Hegel, que chega a Vico (1668-1744) dos SASTRAS Védicos primordiais.Educação Védica Propriedade Privada Trabalho. A educação no contexto do trabalho e da propriedade privada. As distorções praticadas contra a educação, PME Plano Mundial Educacional Universal Védico, determinou o surgimento das classes sociais vigentes, nas sociedades capitalistas que degeneram em desordem, em lutas de classes. A concentração do monopólio sobre o trabalho produtivo e os demais meios de produção, nas mãos de uma das classes, levou a uma concentração de rendas incomum, onde atualmente noventa famílias da classe capitalista burguesa filiadas ao clube Bilderberg são donas de trilhões de dólares-ouro correspondentes acima de oitenta por cento das riquezas produzidas pelo trabalho do homem. No sistema organizacional do estado Vaishinava Védico, do Warna Ashma Dharma, as Warnas ou categorias sociais produtivas não são antagônicas. De forma igualitária a divisão do trabalho vem da formação nas Ashmas ou nas escolas que norteiam ou qualificam indivíduos para o Dharma primordial ou a práxis constitucional, a humanidade, o humanismo crítico de gênero. Como sendo a Warna número um ou categoria dos educadores, seguida da Warna número dois ou dos administradores, como reis, políticos, gestores públicos, conjuntura do judiciário e outras agremiações centradas na vivência da cidadania. Na era histórica da Kaliuga ocorre a alienação de uma dessas Warnas deteriorando todo o sistema. A produção participativa Védica Vaishinava nasce a partir da Bhudiyoga do conhecimento como ele é, ferramenta que leva os indivíduos, as pessoas, a coletividade a promoverem a eliminação das classes dominantes, instalando a instituição da cidadania plena Warna Ashma Vaishinava. Contextualizada na literatura que data além de 12 mil anos do Mahabharata de Vyasadeva e na literatura épica o Bhagavad-Gita de cinco mil anos, o sistema Vaishinava da produção comunista participativa das categorias sociais, as Warnas não antagônicas, foi percebido, confirmado nas projeções dos infinitésimos transdimensionais e nas séries inconfundíveis e exatas de Karls Marx. Na sociedade Vaishinava Védica, os indivíduos, mantendo a práxis adquirida dentro do processo de superação, onde forças produtivas no gigantismo privado da industrialização e do capital, ativando a revolução, superam a luta de classes, marca registrada da era cósmica da Kaliuga. A terceira Warna como sendo a dos responsáveis pela ordenação da logística da produção, sendo a produção agrícola, de bens primários e a produção industrial, estando os mesmos encarregados da distribuição e da manutenção dos bens de produção. A quarta categoria social produtiva a dos sudras, tecnicamente definida como sendo a dos trabalhadores braçais insubstituíveis mesmo na escala da produção ciberneticamente comandada. A Educação Védica permite que as pessoas enxerguem a vida, a vivência coletiva com lucidez. No turbilhão do labor cotidiano as pessoas estão propensas a errar caindo nas garras da ilusão da ignorância no conhecimento do cáos. Nas dezoito aulas proferidas pelo professor Govinda Krsna para o aluno Arjuna, o método de transmigração da alma é amplamente explicado.  Ele declara para o seu aluno: “Nunca houve um tempo em que Eu não existisse, nem você, nem todos esses reis, e no futuro, nenhum de nós deixará de existir.” (BG Cap. 2 V.12). “Saiba que aquilo que penetra o corpo inteiro é indestrutível. Ninguém é capaz de destruir a alma espiritual” (BG. Cap. 2 V 17). “Assim como alguém veste roupas novas, abandonando as antigas, a alma aceita novos corpos materiais, abandonando os velhos inúteis” (BG. Cap. 2 V.22). Assim, é necessário prosseguir estudando-se o Veda como ele é sem adulteração, seguindo a trilha fidedigna aberta para toda a humanidade por Srila Prabhupada. Diante da realidade dos dias de hoje, em cuja escala da pesquisa científica temos o reconhecimento da TRG de Einstein, nas emissões dos buracos negros, comprovadamente sendo esta métrica correlata com a Teoria Absoluta do Valor de Marx e com a formulação do sistema do Acyntia Bheda Tatwa de Sir Caetania Mahaprabu. Existem centenas, milhares de apresentadores de modelos sobre a educação védica dentro e fora da Índia, como os Antibaris que se dizem educadores profetas e que são iguais aos aloprados Alluks. Estes grupos que se dizem iluminados na verdade não receberam a educação genuinamente Vaishinava Védica. Confundido a comunidade acadêmica em todo mundo sobre o real Parampará Educacional definido nos Sastras apresentados por Sir Krsna Caetania (1486 / 1542), eles mantém o ensino da lógica da unicidade acrítica de Sankara. Fora da Índia temos o fato na Rerum Novarum (católica) a não compreensão do conceito de salto qualitativo no processo social histórico pela superação/negação das classes antagônicas. Onde, sendo que, o simples fato dos meios de produção passarem para o sistema da propriedade coletiva não significa, só por si, a socialização da propriedade, afirma a igreja. A Educação na Contradição. A lei da contradição da contradição da contradição dialética, Lei do Karma, é uma lei rigorosa cuja aplicação do homem sobre o próprio homem, cuja aplicação do homem sobre o próprio meio, cuja aplicação do próprio capital salário sobre a sociedade é uma constante no contexto da educação universal Védica. Priorizando a partir do Gurukula onde a pedagogia é focada na realidade, visualizando o entendimento irrestrito entre mestre e discípulo. As palavras e termos em sanscrito/devanagari estão disponíveis na rede. O raio da totalidade do mundo onde a partir de MahaVisno os universos materiais são formados, que inclui o oceano causal e o cosmo criado pelo semi deus Brahma, esta totalidade é apenas um diminuto ponto da natureza externa de Govinda. A completude Radha-Govinda encontramos na pessoa de Sir Caetania. Trata-se de um fenômeno que está além dos processos do conhecimento, restritos ao campo de atividades que envolve os vinte e quatro elementos como defendem os não vaishinavas. No GAYATRI autêntico temos a sublimação das interações do supremo BHAGAVAN. Na educação védica a teoria nasce da práxis da experiência do homem no meio. O Niilismo de Buda foi motivado para combater a matança de animais como oferenda a semideuses usando os textos tradicionais como pretexto. A teoria da entropia do conhecimento de Buda é falsa. A teoria da entropia da essência, do espírito, da alma,é uma falsa idéia construída por Gautama Buda que influenciou a ciência acadêmica provocando um colapso no sistema transcendente de Alan Kardeck, nos estudos empíricos experimentais de Darwing e em toda educação do método de Freud, de Lakan e Quântico. O Big-Bang da morte térmica do universo se desconstitui nas ondas magnéticas de alta energia dos buracos negros_ os grávitons da TRG de Einstein. Educação Védica. O princípio mundial da educação definida no sistema universal Varna-Asima-Dharma, é abrangente dos valores e das virtudes inerentes da natureza humana. Criminalização da Educação do Saber Estas matrizes de referência são exatas nos planos das idéias na teoria do Brahman impessoal Ômkara e na teoria do teorema das paralelas de Euclides (Euclides 5.p). T.R.R e Mecânica Quântica. Elas são exatas, mas são restritas, sendo usadas para intimidar o homem, a massa, no plano transpessoal ou quando usadas para explorar e manter o controle da Mais-Valia absoluta; A criminalização da educação do saber é a mesma. Os princípios orientadores da educação Védica destaca o verso sessenta e seis do capitulo dezoito (Cap. 18.66-BG) do Bhagavad-Gita, como ele é (Srila Prabhupada) onde o mestre Govinda recomenda o discípulo Arjuna a abandonar as variedades de religião, cinco mil anos antes de Marx considerar a religião o ópico do povo, prevendo o seu desaparecimento futuro. Constata-se que as religiões mantém a marca sobre a identidade impessoal do Eu Supremo existente. As ideologias positivistas idealistas que da mesma forma mascaram a identidade da constante física, a Existência. Os métodos afirmam que a soma das partes e parcelas é tudo, onde a consciência determina a existência da existência. O conhecimento chega aos Sastras do ÔMKARA, como práxis da vida do Eu existente que tudo produz, que tudo mantém e tudo devora. Neste período de alienação ideológica da educação Védica Warna Ashma Dharma, os sistemas feudal, burguês (capitalista e socialista), onde o salto para a ordem social comunista é a meta, visivelmente identificada na Teoria de Valor de Marx e nos Sastras Védicos, temos de aceitar como academicamente qualificada a constatação da falência das universidades neoliberais em todo o mundo que se fundamentaram na teoria de Weber, Protestante Calvinista, vitoriosa nos padrões do capitalismo inglês e norte americano. Limitando o Marxismo como sendo uma teoria crítica restrita a escola de Frankfurt optou pela Versão empirista ontológica da educação especulativa sem levar em conta o materialismo histórico, Brahmananda, dos infinitésimos e as séries infinitas transdimensionais de Riemann e da TRG de Einstein. A sociedade das categorias sociais produtivas sem o antagonismo de classe, onde o estado da educação Warna Ashma Dharma assegura a práxis da formação socialista real, integral. O processo de educação pós-capitalista previsto por Marx traz a marca deste sistema que é marca registrada empiricamente identificada no período Védico, levando em conta o desenvolvimento das atividades históricas dos homens nas eras cósmicas determinadas. Do ponto de vista da gestão os Brahmas Vaishinavas são os professores qualificados que mantém a vivência do Humanismo em toda sua amplitude, valorizando a vida que vem da vida. Educação Védica. Economia das Qualidades Inatas dos Indivíduos. A economia Vaishinava Védica que é integrada na conjuntura dinâmica da sociedade, sendo levada aos fatos nas cidades, comunidades, escolas em todo o mundo, abre uma janela real de plenitude para toda a humanidade. Historicamente, a alienação da Educação Védica facilitou a transformação de grupos sociais sem qualificação em: burguês, agentes econômicos indicados pelas religiões inventadas, igrejas salvacionistas na Europa, Estados Unidos e outras regiões. (Escolas, Centros Culturais, Institutos) Alto Paraíso – GO Paraíso dos Pândavas ı Chapada dos Veadeiros, Km14 da Estrada GO 239 (Estrada para São Jorge) – WWW.pandavas.org.br; Caruaru – PE  Ecovila Vraja Dhama ı Serra dos Cavalos, Distrito de Murici, Caixa Postal 283, CEP 55000-000 – (81)9697-2241, ecovilavrajadhama@gmail.com; Paraty – RJ Goura Vrindávana ı Caixa Postal 74862, CEP 23970-000, (21) 9777-7379, WWW.goura.com.br; Pindamonhangaba – SP Nova Gokula ı Rua Bhakti Marga, 28, Estrada do Ribeirão Grande, Caixa Postal 1009, CEP 12400-900 – (12) 3643-4552 – WWW.novagokula.com.br; Teresópolis – RJ Vrajabhumi Dhama ı Estrada Isaias Vidal, s / n, Entrada no Km 6,5 da Teresópolis-Friburgo, Caixa Postal 92430, CEP 25951-970 (21) 2644-7213, WWW.vraja.net, vraja@uol.com.br Campina Grande – PB Instituto Jaladuta ı Rua Dr. Abdias da Silva Campos, 122, Bairro Universitário, CEP 58431-100 – (83) 3333-7044, info@institutojaladuta.comWWW.institutojaladuta.com; Franco da Rocha – SP Escola Bhakti ı Rua Geovani Rinaldi, 200, Parque Vitória, CEP 07854-120 (11) 4444-5821, WWW.krishnafranco.com.br, esc.bhakti@yahoo.com.br). O multiculturalismo de Taylor, os ideais do pós-socialismo de Nancy Frases, a Mão Invisível clássica, Bourdieu, Say, Maltus e outras projeções inconsistentes ampliaram o cenário onde Ricardo mostrou a existência da Mais-Valia restrita e Marx, a existência da Mais-Valia absoluta. Teoria o Valor de Marx - Economia Sem Classes Sociais. Economia Vaishinava - Categorias Sociais Não Excludentes. Ensino, Pesquisa e Extensão. O atual contrato social dos Estados Políticos em todo o mundo estão minados pela corrupção sobre a liquidez (Lasime) o capital. A democracia representativa não satisfaz a expectativa geral dos setores produtivos. O desencanto, o desespero, o populismo das ordens políticas institucionais, religiosas, jurídicas, alienadas no processo holístico reducionista da Kaliyuga promove o sofrimento para toda a humanidade.      Acima de tudo a misericórdia sem causa no cantar dos Santos Nomes do Senhor Harí é tudo. A administração do governo de Maharaja Pariksitre andava sozinha, um fato, não um mito. Alexandria um crime premeditado.        O incêndio da Biblioteca de Alexandria foi criminoso, destruindo os documentos codificados do período Védico, quebrando a fonte contextualizada do Parampará.       Nestes 600 anos de Gutemberg estão registrados fiéis informações sobre todo o desenvolvimento humano, incluindo o Veda como ele é. Existe a Banda Podre, os THORS na internet. Eles distorcem a realidade promovendo o medo, a alienação da comunicação.      A igualdade na competição é vocação da Educação Védica. O Valor de uso, as ideologias da contemplação de Heráclito, Xenofenes, Platão, Aristóteles e a escola Hegeliana do espírito amorfo do tempo, não corresponde com a leitura da realidade.       O verdadeiro fazer humano na Educação Védica, o saber, o conhecimento é levado a todas as quatro categorias produtivas pelas quatro ashmas escolas. O valor da quantidade e o valor de troca do produto do trabalho- a prática produtiva- a racionalidade da vida social como um todo a encontramos na transparência do Estado Védico e no processo do materialismo histórico pela métrica da formação do capitalismo e sua superação Marximiniana. (Leia, corrija e divulgue).

 

Wagner é sociólogo, cientista político (Universidade Metodista),

graduado em Políticas Públicas (Faculdade Darwing – Distrito Federal),

Bacharel em Análise de Processos (universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro),

Jurista Arbitral (Lei n° 930796, artigo 18).

Criador da Feira do Livro em Brasília com Nilton Rossi e outros.

Introdutor da Feira Mística com Mãe Meneninha cigana.

Pesquisa: Maria das Graças Oliveira Silva, Carlos Alberto de Moura Amaral, Maria Silva Sandoval.

Sem comentários ainda

Deixe seu comentário

*

%d blogueiros gostam disto: