PLANTAS MEDICINAIS SÃO MITOS?

É revelado na Bíblia que, na conversão de Moisés, Deus falou através de um anjo, usando como oráculo vegetal um pé de sarça (planta medicinal) que ardia e não se consumia. E ainda Moisés tirou água da pedra, e ainda abriu o Mar Vermelho com seu cajado de Safira. Outro oráculo vegetal da Bíblia é o Bálsamo, quando Jesus disse a Davi para dar início ao ataque aos Filisteus. No Cântico dos Cânticos de Salomão, quando a donzela convida o amado a ir aos campos, local onde as mandrágoras (plantas fosforescentes) exalavam fragrâncias com propriedades afrodisíacas. (Genesis... 30-14.16) Raquel só obteve sucesso sobre a Irma Lia (filhas de Labão) na competição para dar filhos a Jacó quando tomou uma dose da raiz de mandrágora. Jacó, com o “seu truque na manga”, usou varas novas de choupo, amendoeira e plátamo, descascando-as em listras brancas que, uma vez colocadas à frente dos animais fêmeos diante da procriação, obteve muitos rebentos de cores variadas, o que convenceu e satisfez o propósito de Labão. Na Mitologia Escandinava, Yggdresil, o grande pé de Freixo (sempre verde, imortal e inconcebivelmente grande, com galhos que chegavam ao céu e folhas que sombreavam todo o mundo), “a Árvore do Destino”, como era chamada, e que alimentava ao mesmo tempo todo tipo de animais. E mais, uma de suas raízes penetrava direto no inferno e era incessantemente roída por uma serpente maligna. Quando, por fim, o grande Yggdresil viesse abaixo, toda vida cessaria (porque nesta árvore do destino estava toda a sorte dos destinos). Além das ervas, as árvores eram veneradas pelos Druidas (soldados dos Celtas) – eles eram a defesa das forças das trevas. Com a vitória dos Druidas na batalha, eles tomavam a palavra certa para a árvore, fazendo delas a base do seu alfabeto (letra A – Olmo, letra B – Bétula)... Um folclore Druida: o visgo (erva-de-passarinho – livro de Plínio), a planta mágica dos carvalho que proliferou para muitos países sem nunca poder tocar ao chão (para não perder as virtudes) e, até a época atual, apesar de nenhuma comprovação de valor medicinal, mas na Suécia supunha-se que tinha um poder Tonico especial chamado de (água de andorinhas).
Qual seja, uma mistura apavorante (lírio-do-vale, baga-de-sabugueiro, tília e peoma), tudo destilado com 24 filhotes de andorinha vivos. Um remédio para garganta inflamada (até 1757), quando foi piedosamente eliminada pela farmacopeia, por meio de uma lei oficial do governo sueco... No passado, um ramo de visgo era pendurado na porta das casas como garantia contra todos os tipos de males: bruxaria, incêndio, azar, doença... Tudo isso será mesmo verdade?
*Terapeuta Holístico (CRT45948) (Fitoterapeuta e Iridólogo) - Pós-Graduado pela UnB
(32)99742622 – j.irisfito@gmail.com – photosj.marcos@ig.com.br

Sem comentários ainda

Deixe seu comentário

*