NUTRIÇÃO EM PACIENTES BARIÁTRICOS

Pacientes submetidos à cirurgia bariátrica apresentam maior risco de desenvolver deficiências nutricionais pela limitação na ingestão e absorção de diferentes nutrientes. A literatura sugere que, para prevenir ou tratar as deficiências nutricionais decorrentes das alterações anatômicas provocadas pelas técnicas cirúrgicas, é necessário o uso de suplementação nutricional.

A reposição e a incorporação de micronutrientes ao corpo a partir da alimentação é a maneira mais adequada de se manter os estoques corporais em níveis desejáveis. No entanto, em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, alguns fatores justificam a suplementação nutricional.

Os baixos níveis de vitamina B12 podem ser vistos após seis meses de pós-operatório, porém, na maioria das vezes ocorre após um ano ou mais, quando seu armazenamento no fígado se encontra esgotado.

A deficiência de tiamina após cirurgia bariátrica tem sido tratada juntamente a outras vitaminas do complexo-B e magnésio, para obter uma máxima absorção de tiamina e adequada função neurológica.

Na maioria das vezes, a deficiência de acido fólico apos cirurgia bariátrica ocorre devido a diminuição da ingestão, e não em decorrência de sua má absorção.

A anemia pode afetar dois terços dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, sendo geralmente provocada pela deficiência de ferro. O ideal é que o suplemento de ferro seja acompanhado de vitamina C e de fibras para prevenir a constipação, melhorar a flora intestinal e proporcionar melhor absorção do mineral.

A suplementação de cálcio e vitamina D tem sido recomendada para a maioria das terapias de perda de peso com o objetivo de prevenir a reabsorção óssea.

A deficiência de proteína é a mais comumente relatada entre os macronutrientes. A hipoalbuminemia pode aparecer tardiamente em pacientes após dois anos de cirurgia ou mesmo após dez anos, mesmo quando não está presente nos primeiros meses presente nos primeiros meses.

A proteína do soro do leite (“whey protein”) pode ser uma excelente escolha, uma vez que possui elevados níveis de aminoácidos de cadeia ramificada, importantes para prevenir degradação do tecido muscular, permanecem solúveis no estômago, são rapidamente digeridas e isentas de lactose. Atualmente, já existe produto de “whey protein” hidrolisado, o que reduz a alergenicidade e melhora a absorção.

Liane Beringhs

Sem comentários ainda

Deixe seu comentário